Brasil

Netanyahu oferece ajuda ao Brasil no combate a incêndios devastadores na Amazônia

Israel para enviar aeronaves, materiais retardadores de chama; PM junta-se a líderes globais expressando preocupação com as chamas massivas nos “pulmões do mundo”

Neri dos Santos Silva, no centro, assiste a uma invasiva ameaça de fogo depois de cavar trincheiras para impedir que as chamas se espalhem para a fazenda em que trabalha, no município de Nova Santa Helena, no estado do Mato Grosso, Brasil, na sexta-feira, 23 de agosto. 2019. Sob crescente pressão internacional para conter os incêndios que varrem partes da Amazônia, o presidente brasileiro Jair Bolsonaro autorizou na sexta-feira o uso das forças armadas para combater as grandes explosões. (AP Foto / Leo Correa)

Neri dos Santos Silva, no centro, assiste a uma invasiva ameaça de fogo depois de cavar trincheiras para impedir que as chamas se espalhem para a fazenda em que trabalha, no município de Nova Santa Helena, no estado do Mato Grosso, Brasil, na sexta-feira, 23 de agosto. 2019. Sob crescente pressão internacional para conter os incêndios que varrem partes da Amazônia, o presidente brasileiro Jair Bolsonaro autorizou na sexta-feira o uso das forças armadas para combater as grandes explosões. (AP Foto / Leo Correa)

O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu falou no final do domingo com o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, oferecendo assistência israelense na luta contra os incêndios devastadores que atingem a região amazônica e que causaram alarme global.

O gabinete de Netanyahu disse que Israel enviaria uma remessa de produtos químicos retardadores de chama e observou que o primeiro-ministro elogiara Bolsonaro por sua decisão de enviar dezenas de milhares de soldados que se preparavam para se juntar à luta contra as chamas.

Bolsonaro anunciou na sexta-feira que seu governo enviaria 44 mil soldados para ajudar a combater os incêndios que estão espalhados pela grande participação de sua nação na vasta Amazônia, uma região total dez vezes maior que a do Texas, considerada um baluarte mundial contra as mudanças climáticas. Apenas algumas centenas de tropas haviam sido enviadas até agora.

Enquanto isso, Bolsonaro twittou que Israel enviaria um avião especializado para ajudar na operação de combate a incêndios.

Não ficou imediatamente claro quando o equipamento seria enviado.

Esta seria a segunda vez neste ano que Israel enviaria assistência ao Brasil.

Em janeiro, uma equipe de busca e resgate da Força de Defesa de Israel foi enviada ao país sul-americano para ajudar na busca de centenas de pessoas desaparecidas na sequência de um colapso catastrófico da barragem.

Uma delegação militar israelense se prepara para partir para o Brasil para realizar operações de busca e salvamento no país após a explosão de uma barragem, em 27 de janeiro de 2019. (Forças de Defesa de Israel)

Os laços entre Israel e o Brasil se aqueceram com a eleição de Bolsonaro no ano passado.

A promessa de Netanyahu se junta a um coro de preocupação internacional.

Líderes das nações do Grupo dos Sete disseram no domingo que estão se preparando para ajudar o Brasil a combater os incêndios.

O presidente francês Emmanuel Macron disse que os líderes da cúpula estão se aproximando de um acordo sobre como apoiar o Brasil e disse que o acordo envolveria mecanismos técnicos e financeiros “para que possamos ajudá-los da maneira mais eficaz possível”.

A chanceler alemã, Angela Merkel, disse que seu país e outros vão conversar com o Brasil sobre o reflorestamento na Amazônia uma vez que os incêndios tenham sido extintos.

Bombeiros trabalham para apagar incêndios na região de Vila Nova Samuel, ao longo da estrada para a Floresta Nacional de Jacunda, perto da cidade de Porto Velho, estado de Rondônia, parte da Amazônia brasileira, domingo, 25 de agosto de 2019. (AP Photo / Eraldo Peres)

“É claro (isso é) território brasileiro, mas temos uma pergunta aqui das florestas tropicais que é realmente uma questão global”, disse ela. “O pulmão de toda a nossa Terra é afetado e, portanto, precisamos encontrar soluções comuns.”

O Papa Francisco também acrescentou sua voz ao coro de preocupação com os incêndios no Brasil, que faz fronteira com sua terra natal, a Argentina, e pediu às pessoas que rezem para que “elas sejam controladas o mais rápido possível”. Ele disse a uma multidão na Praça de São Pedro. que “estamos todos preocupados” com os incêndios na Amazônia. Ele alertou que o “pulmão da floresta verde é vital para o nosso planeta”.

A agência de monitoramento de satélite do país registrou mais de 41.000 incêndios na região amazônica até o momento este ano – com mais da metade dos que chegam somente neste mês. Especialistas dizem que a maioria dos incêndios é feita por fazendeiros ou fazendeiros que limpam as terras agrícolas existentes. Mas a mesma agência de monitoramento relatou um aumento acentuado no desmatamento neste ano também.

A agência federal de polícia do Brasil anunciou no domingo que vai investigar relatos de que agricultores no estado do Pará, um dos mais afetados pelos incêndios, pediram “um dia de fogo” para acender incêndios em 10 de agosto.

A mídia local disse que o grupo organizou o WhatsApp para mostrar apoio aos esforços de Bolsonaro para afrouxar as regulamentações ambientais.

Nesta foto divulgada pelo Ministério da Defesa do Brasil, um avião Hércules C-130 despeja água para combater incêndios na floresta amazônica, no Brasil, sábado, 24 de agosto de 2019. Apoiado por aeronaves militares, as tropas brasileiras no sábado estavam implantando em a Amazônia para combater incêndios que varreram a região e provocaram protestos contra o governo, bem como um clamor internacional. (Ministério da Defesa do Brasil via AP)

O ministro da Justiça, Sergio Moro, que supervisiona a polícia, disse no Twitter que Bolsonaro “pediu uma investigação rigorosa” e disse que “os incêndios criminosos serão severamente punidos”.

Críticos acusam as políticas pró-desenvolvimento de Bolsonaro de encorajar fazendeiros e fazendeiros a aumentar os esforços para desmembrar a floresta, embora o presidente tenha prometido repetidas vezes recentemente proteger a área, e apoiou isso enviando soldados e outras forças federais.

Merkel observou que Bolsonaro está colocando “forças significativas” no esforço de salvar a floresta tropical.

Mas Bolsonaro tem tido uma relação tensa com governos estrangeiros – incluindo grupos alemães – e não-governamentais que ele acusa de se intrometer na gestão do seu país na Amazônia. Na semana passada, ele divulgou a ideia, sem evidências, de que grupos não governamentais estavam preparando fogueiras para constrangê-lo.

O escritório de Macron na sexta-feira reclamou que o líder brasileiro “mentiu para ele” sobre compromissos ambientais.

Perguntado se ele falaria com Macron, Bolsonaro disse no sábado: “Se ele me ligar, eu responderei. Estou sendo extremamente bem-educado com ele, embora ele tenha me chamado de ‘mentiroso’ ”.

Enquanto isso, o presidente boliviano, Evo Morales, disse no domingo que receberá ajuda na luta contra os incêndios de seu próprio país, que queimaram mais de 744 mil hectares de terras na região da Chiquitanía nas últimas duas semanas.

Ele disse em entrevista coletiva que aceitou ofertas de ajuda dos líderes da Espanha, Chile e Paraguai.

One Reply to “Netanyahu oferece ajuda ao Brasil no combate a incêndios devastadores na Amazônia

  1. Criticar é fácil.Mais difícil é ajudar efetivamente.Enquanto os outros falam muito,criticando e discutindo meios de possível ajuda,Israel já oferceu material para retardamento de fogo,equipes e um avião especial para o combate a incêndios.
    “Em todo o tempo ama o amigo,e na angústia se faz o irmão”(Pv 17.17).Quando nos ocorre desgraça,o amigo verdadeiro se torna um irmão para nós.É isso que Israel está sendo.Em vez de ficar criticando ,como os outros países,Israel ofereceu ajuda prática.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *