Netanyahu Política

Comitê organizador do Knesset aprova duas leis contra Netanyahu

O comitê organizador do Knesset aprovou em 24 de maio a promoção acelerada de dois projetos de lei contra a continuação do mandato de Benjamin Netanyahu como primeiro-ministro.

O primeiro projeto de lei limita a capacidade de manter este cargo por dois mandatos – não mais do que oito anos.

O segundo projeto proíbe um criminoso acusado de concorrer a primeiro-ministro.

Representantes do partido Yamina votaram contra esses projetos em conjunto com o Likud, e a RAAM – a favor, juntos no “bloco de mudanças”.

A decisão permite que essas leis sejam colocadas em votação de forma ágil – sem a pausa de 45 dias exigida por lei. Anteriormente, o mesmo mecanismo foi usado pelo bloco religioso de direita para promover a lei sobre eleições diretas do primeiro-ministro, benéfica para Netanyahu, bem como uma série de leis odiosas sobre as questões mais urgentes em décadas. Entre elas estavam leis sobre a legalização de assentamentos não reconhecidos, sobre a superação do veto das BAGATS e sobre a abolição do plano de delimitação unilateral (“Tohnit ha-itnatkut”).

A discussão de hoje no comitê organizador foi tempestuosa. Durante os debates mais acalorados, a presidente da comissão, Karin Elharar (Yesh Atid), chegou a retirar alguns deputados do bloco de direita da sala – eles logo voltaram e participaram da votação.

Também hoje, a comissão aprovou o andamento acelerado do projeto de lei sobre a criação de uma comissão estadual para investigar os trágicos acontecimentos no Monte Meron.